Segunda, 23 de novembro de 2020
11998400996
Geral

18/10/2020 às 01h11 - atualizada em 18/10/2020 às 01h19

Redação

COTIA / SP

Novas evidências reforçam correlação entre tipo sanguíneo e risco de Covid-19
Recentes análises corroboram com ideia de que pessoas com sangue tipo O têm risco menor de infecção grave pela doença se comparado a outros tipos sanguíneos
Novas evidências reforçam correlação entre tipo sanguíneo e risco de Covid-19

Na tentativa de entender mais sobre como o coronavírus age no corpo humano, duas pesquisas publicadas nesta semana na Blood Advances sugerem que o tipo sanguíneo pode influenciar ou não em complicações referentes à doença. Resumidamente, pacientes do tipo O parecem ter vantagem neste sentido.


Os estudos não são os primeiros a investigarem o vírus deste ponto de vista, mas vêm para reforçar a suspeita de que algumas pessoas podem simplesmente ser mais resistentes a quadros graves da doença ou o contágio por ela. A partir das novas evidências, é possível criar uma imagem mais clara de um fator de risco específico para o coronavírus.


Tipo O e a gravidade da doença


Na primeira pesquisa, cientistas examinaram 35 pessoas em quadro grave de Covid-19 em hospitais de Vancouver, no Canadá, entre fevereiro e abril. Com as observações, foi possível identificar que pacientes com sangue do tipo O ou B passam, em média, 4,5 dias a menos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) se comparados com enfermos com sangues do tipo A e AB. Especificamente sobre este último grupo, a média de permanência na UTI é de 13,5 dias.


Mas o que chamou a atenção dos pesquisadores não foi o tipo sanguíneo combinado ao tempo de internação, mas sim a evidência de que apenas 61% dos pacientes com sangue tipo O precisavam de um ventilador para respiração. Este número torna-se expressivo quando comparado com pacientes com sangue dos tipos A ou B, que em 84% dos casos precisavam do equipamento. O estudo também indicou que estes pacientes mais vulneráveis são mais suscetíveis a precisarem de diálise.


?Pacientes nesses dois grupos sanguíneos podem ter um risco maior de disfunção ou falência orgânica devido à Covid-19 do que pessoas com tipos sanguíneos O ou B?, concluíram no estudo.


Neste sentido, outro estudo realizado em junho já havia apontado que pacientes da Itália e Espanha com tipo sanguíneo O tiveram 50% menos risco de infecção grave pela doença em comparação com pacientes de outros tipos sanguíneos.


Tipo O e riscos reduzidos de infecção


Já o outro estudo divulgado nesta semana na publicação científica destaca que pessoas com sangue do tipo O podem ter risco reduzido de contrair o novo coronavírus em comparação com outros tipos de sangue. Para tal conclusão, a equipe de cientistas examinou meio milhão de pessoas que foram testadas com a doença na Holanda entre o fim de fevereiro e fim de julho.


Das 4,6 mil pessoas positivas para Covid-19 e que revelaram seu tipo sanguíneo, apenas 38,4% eram do tipo O. Para se ter ideia do que este número representa, ele é menos que a prevalência do tipo O em uma população de 2,2 milhões de dinamarqueses, por isso foi seguro que os pesquisadores afirmassem que as pessoas com tipo O evitaram com sucesso o contágio pela doença.


 


 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
Mais lidas
© Copyright 2020 :: Todos os direitos reservados